Landing Pages – O que são?

As Landing Pages são parte de uma estratégia de Marketing muito difundida nos últimos anos, chamado Inbound Marketing. O objetivo aqui não é explicar a fundo o Inbound Marketing, mas sim mostrar como uma Landing Page pode ajudar no seu negócio, de forma objetiva.

Landing Page basicamente é uma página com formulário que oferece um brinde em troca do cadastro do usuário. Esse brinde pode ser um e-book, um vídeo, um conteúdo exclusivo, o acesso a uma imagem, sendo que o mais comum é oferecer um e-book em PDF. Este e-book pode conter dicas sobre um produto, dicas sobre design, enfim, algo relacionado ao seu negócio e cujo valor possa ser trocado pelo cadastro do cliente.

Uma dica: esse cadastro deve ser breve, solicitando informações básicas para não assustar o usuário. Nunca deve pedir documentos como CPF, RG, e dados pessoais que não são relevantes. Pode e deve incluir: Nome, E-mail, Celular / WhatsApp, e pode conter perguntas relacionadas ao seu negócio, como por exemplo no caso de uma Clínica de Cirurgia Plástica: “qual parte do corpo gostaria de melhorar?” ou então “qual sua maior dúvida referente a cirurgia plástica”.

Veja um exemplo de Landing Page:

Veja que a Landing Page é um formulário básico, com um título chamativo (atenção para o “gratuito”) e um breve resumo do que a pessoa irá receber caso preencha o cadastro. Depois de preencher o breve cadastro, a pessoa terá acesso direto ao e-book ou poderá receber por e-mail.

A finalidade de obter o cadastro da pessoa (também chamada de Lead) é posteriormente utilizar em uma comunicação mais direta, como um e-mail oferecendo outro conteúdo, ou uma promoção do seu negócio, ou até mesmo uma abordagem mais direta, via WhatsApp, oferecendo seu produto/serviço. Os dados ficam armazenados em um banco de dados para serem usados em futuras ações de Inbound Marketing.

Como instalar botão flutuante de WhatsApp

Hoje vamos explicar como instalar um botão flutuante como este da imagem abaixo, usando um plugin do WordPress:

No Painel de Controle, vá em Adicionar novo Plugin, e pesquise pelo plugin chamado “Click to Chat“.

Clique para instalar o primeiro resultado, do logotipo verde (pode ser que mude com o tempo). Meu critério para instalar plugins é a frequência de atualização e a quantidade de avaliações positivas. Já havia tomado conhecimento deste através de outro site em que trabalhei. É um plugin simples de instalar e muito fácil de configurar. Depois de instalado, clique em Ativar. Localize o plugin no menu esquerdo do WordPress e clique em Settings. Será aberta a tela abaixo:

Logo de cara, a única coisa que precisa mesmo ser alterada é o número do WhatsApp. Digite seu número com DDD e código do país As demais configurações são padrões, e podem ser usadas do jeito que estão, mas vamos mudar algumas coisas:

Ative o checkbox mostrado na tela, ele será útil para economizar um clique do usuário. Desta forma, se o usuário estiver usando desktop, será direcionado para o WhatsApp Web, e se estiver usando celular, será direcionado para o App.

Logo abaixo tem configurações bem interessantes de layout, que determinam o formato e a posição do botão em relação à tela. Escolhi deixar no canto inferior direito.

Salve as alterações e pronto!

Em outro momento, vou mostrar como colocar um botão similar mas sem utilizar plugin, ou seja, no código do seu site.

Subdomínios no Site

Um subdomínio é uma parte do seu domínio, ou seja, uma parte do seu site. Na prática, ele representa um prefixo do seu domínio. Um dos portais que mais utiliza esse recurso, de forma bem compreensível, é o site da Globo.com. Exemplos:

ge.globo.com
g1.globo.com
gshow.globo.com

Não necessariamente precisa ter o www na frente, essa é outra questão que explicaremos em outra oportunidade.

Alguns sites podem se beneficiar bastante do subdomínio, como por exemplo:

  1. Site de moda que decidiu ter uma loja para vender seus produtos, pode usar um subdomínio do tipo loja.site.com.br .
  2. Um artista que além de expor seu portifólio, quer ter um blog para escrever matérias, pode ter um domínio separado para seu blog.
  3. Uma loja multimarcas, pode criar um subdomínio para cada marca, para que o cliente encontre facilmente os produtos que deseja.

O subdomínio não precisa ser registrado no Registro.br nem no Register.com e na maioria dos provedores de hospedagem, não é preciso pagar a mais para ter subdomínios. Ele é gratuito (normalmente).

Para se criar um subdomínio na Locaweb, que é o provedor de hospedagem que utilizamos, é um processo muito simples, feito em questão de minutos. No Painel de Controle, acesse a opção Hospedagem > Domínios > Adicionar novo domínio. Selecione o botão Subdomínio:

Nesta tela, bem intuitiva, basta preencher o nome do subdomínio e a pasta para onde será direcionado o subdomínio. O importante é verificar se o subdomínio está dentro do seu site ou se está em local externo. A Locaweb ainda oferece a opção de redirecionar para uma página em construção ou para a raiz do site. No nosso caso, vamos criar um subdomínio para o nosso Blog, assim quando o usuário acessar blog.nishiweb.com.br, será direcionado para nosso Blog Nishiweb.

Pronto! Depois de alguns minutos o subdomínio começará a funcionar! Se quiser testar, clique no recém-criado subdomínio:

blog.nishiweb.com.br

Segurança SSL em Subdomínios

Se por um lado a criação de Subdomínios não tem custos na hospedagem, por outro lado o certificado SSL tem custos. Como explicamos anteriormente no texto sobre Certificado SSL, dependendo da sua contratação, os subdomínios não estarão inclusos, apenas os subdiretórios. Assim, será necessário contratar um novo certificado para cada subdomínio ou procurar um plano abrangente para cobrir todos os eventuais subdomínios que deseja criar.

SEO de Subdomínio ou Subdiretório

Uma dúvida comum em termos de SEO é: qual é mais importante, o subdomínio ou o subdiretório? Na teoria, o algoritmo do Google considera o subdomínio mais importante que o subdiretório, mas é bem verdade que na prática, o mais relevante é mesmo o conteúdo da página. Não basta ter um subdomínio chamado “webdesign” por exemplo, para aparecer de uma hora para outra nas primeiras posições do Google. É necessário trabalhar o seu conteúdo e ter autoridade sobre o assunto, até se atingir um patamar maior, é um trabalho de construção muitas vezes demorado. Mas a organização do seu site em subdomínios pode ajudar!

Open Graph: dicas de compartilhamento em Redes Sociais

Se você é usuário do Facebook e do Twitter, já deve ter percebido que, quando compartilhamos um artigo de um site externo (normalmente site de notícias), muitas vezes aparece uma foto e uma breve descrição do artigo, deixando o post mais atrativo. Veja o exemplo abaixo:

Exemplo de post do Facebook

Isso se deve a uma informação na programação do site chamada Open Graph, representada pela tag <og>. Em HTML é relativamente simples de se fazer, mas hoje vamos ensinar como fazer isso no WordPress de modo ainda mais fácil do que no HTML. Existem diversos plugins que fazem bem esse tipo de tarefa, mas decidimos usar um dos mais populares, chamado Open Graph and Twitter Card Tags. Basta procurar na lista de Plugins, instalar e ativar. Não é necessário mudar nenhuma configuração. Assim que ativado, na página de edição de Posts ou Páginas, aparecerá esse novo formulário:

São dois novos campos, um para inserir a imagem de compartilhamento e outro para o resumo. O tamanho recomendado da imagem é 1200 x 630 pixels, e o texto pode ter até 300 caracteres. Caso fiquem em branco, será usada a primeira imagem do post e parte do conteúdo. Em nosso exemplo, editamos o post sobre Certificado SSL, incluímos uma imagem e um breve resumo.

Depois de Salvar e Publicar o post, experimente compartilhar o link da sua postagem no Facebook. O resultado será semelhante a este:

Assim que colar o digitar a URL do seu post, aparecerá o preview logo abaixo, para poder saber como ficará a postagem antes de publicar.

No Twitter, o resultado será esse:

Uma última dica: após publicar a imagem no Facebook, notamos que o texto no fundo chapado não fica uniforme, perde muita resolução. Então optamos por usar uma imagem de fundo. Por isso a imagem do Twitter ficou com fundo de madeira.

Continue nos acompanhando para mais dicas, na nossa jornada para construir um site completo no WordPress.

Olá, WordPress!

Começamos aqui um Blog do WordPress, para falar de diversos temas relacionados a nossa área como Webdesign, programação, hospedagem de internet, segurança digital, dicas de Google, e é claro, o próprio WordPress. Se conseguir acompanhar, você verá que o nosso Blog começa no estilo padrão de WordPress com a mensagem de “Olá, Mundo” e sofrerá modificações com o tempo. Vamos fazer postagens a cada grande mudança nele.

Para preparar a instalação do WordPress, é preciso levar em conta os requisitos: Banco de Dados (mySQL ou MS-SQL) e servidor PHP, de preferência 7.1 ou superior. Criamos o nosso banco de dados mySQL e deixamos tudo pronto antes da instalação. Se o site for instalado em diretório, é preciso deixar criado esse diretório e configurar as permissões de Escrita na pasta (chmod 755)

A instalação padrão do WordPress foi simples, apesar de já termos feito isso diversas vezes para clientes distintos. Pode ser feita de modo manual – baixando os arquivos e publicando via FTP, ou de modo automático – através do provedor de hospedagem. Dessa vez, fizemos pelo nosso provedor, a Locaweb, que disponibiliza o WordPress de modo fácil no menu Aplicativos da Central do Cliente. Depois do preenchimento de um breve cadastro, informando dados do Administrador, o caminho onde será instalado e os dados do banco de dados, leva cerca de 5 minutos para concluir a Instalação e estará pronto para uso.

A primeira coisa que costumamos fazer é o login na área administrativa para instalar os plugins básicos. O primeiro plugin foi de backup, para que não se perca nada do site caso ocorra algum erro. Escolhemos o Updraft, mas existem diversas boas opções. O Updraft permite publicar o backup no Dropbox, o que para nós é muito útil. Aqui, nos deparamos com uma mensagem que dependendo da versão do WordPress, é preciso de uma intervenção no código. Havia uma necessidade de informar novamente os dados de FTP para que o plugin fosse instalado. Resolvemos isso com uma linha de código no wp-config.php:

define('FS_METHOD', 'direct');

Depois, buscamos um tema que combinasse com o nosso site. Escolhemos o tema Radiate que nos pareceu simples e elegante.

Editamos o menu para ter um link para nosso site principal, assim quem estiver acessando o Blog, terá oportunidade de voltar (ou conhecer) a página principal da Nishiweb.

Por fim, comecei a editar o post inicial para testar as postagens.

Em breve vamos fazer outras alterações e vamos postando como e quais alterações foram feitas.